Quando a equipe escolar percebe que um aluno tem um comportamento diferente da maioria dos colegas ou tem mais dificuldades para aprender, a angústia vem com força total. A família é chamada para conversar e o que a escola quer saber é se o aluno tem algum diagnóstico médico.

Se o diagnóstico não está disponível, a família é orientada a procurar um atendimento especializado para descobrir ou definir o que o aluno tem. A equipe escolar aguarda, aflita, o resultado da consulta para saber como lidar com o aluno. Essa espera às vezes demora meses e o aluno e professor ficam perdidos durante este tempo. 

Este é um processo extremamente comum nas escolas Brasil a fora.

Por que o diagnóstico médico é tão aguardado?

O diagnóstico dá mais segurança para o educador e para a família porque nomeia e define de onde vêm as diferenças daquele aluno. Dá a sensação de que o caminho a seguir para que o estudante aprenda foi estabelecido. Mas será que ele dá todas as respostas para as ações na sala de aula?

Diagnóstico médico ou diagnóstico pedagógico?

O laudo médico de fato aponta uma direção em relação aos cuidados e estratégias possíveis e apenas isso. Nenhum diagnóstico pode prever o que definitivamente vai funcionar com aquele estudante na sala de aula. Isto porque, ainda que o aluno se enquadre nas características daquele diagnóstico, ele é um ser único e dinâmico e o seu comportamento depende das interações que ele tem no meio. 

As exigências e estímulos variam de acordo com os ambientes e por isso provocam esta variedade de comportamentos e ações. No consultório o estudante faz certas coisas, em casa faz outras coisas, na escola são outra reações, e assim por diante. 

Muitos profissionais da área da saúde nomeiam uma lista de orientações e atividades que devem ser realizadas na escola, sem qualquer conhecimento da dinâmica da instituição ou dos saberes pedagógicos. Além de interferirem no processo de ensino sem a propriedade devida, muitas vezes, solicitam intervenções de caráter clínico no contexto da escolar.

A escola é lugar de aprender. A escola é especialista em ensinar.

A função das instituições de ensino é promover o desenvolvimento, o aprendizado e a autonomia dos estudantes e os educadores são a maior autoridade neste campo. O saber pedagógico deve ser soberano na escola. Por este motivo o diagnóstico pedagógico bem elaborado é essencial para o processo de ensino-aprendizagem. 

Seja através de avaliações, observação ou um combinado entre essas duas formas, é o diagnóstico pedagógico que consegue definir o que o aluno já sabe, o que ele precisa aprender e como ele aprende. O profissional que é preparado para conseguir estas informações é o professor e a equipe escolar. Não é necessário esperar a chegada do diagnóstico médico para iniciar a avaliação e as intervenções necessárias para a aprendizagem.

O diagnóstico médico tem sua importância, assim como o diálogo com outros profissionais da área de saúde. Contudo, a escola é a especialista em ensinar. É preciso que os profissionais da educação se valorizem e confiem nos seus conhecimentos e práticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *